A canonização do padre Anchieta

Data: 
quinta-feira, 06 Março 2014

Agora já não se trata só de um profundo desejo da Igreja no Brasil, nem apenas de uma possibilidade. A Santa Sé confirma, pelas palavras do cardeal Angelo Amato, prefeito da Congregação das Causas dos Santos, que Anchieta será canonizado pelo papa Francisco no início de abril deste ano.

A canonização será feita por um decreto do papa Francisco, como foi feito no caso recente de São Pedro Favre, primeiro sacerdote da Companhia de Jesus. Com Anchieta, serão canonizados também dois missionários da América do Norte: dom Francisco de Laval (1623-1708), primeiro bispo do Canadá e de toda a América do Norte, e a irmã Maria da Encarnação (1599-1672), missionária ursulina, também do Canadá.

Após a canonização, haverá várias solenidades; já se pensa numa celebração de ação de graças em Roma, possivelmente com a participação do papa Francisco, em data ainda a ser fixada. E, no Brasil, não faltarão manifestações de jubilo e celebrações de ação de graças por esse momento, tão longamente esperado. De fato, a causa da canonização teve início já no século 17, sendo interrompida e longamente paralisada por várias circunstâncias históricas, como a injusta expulsão dos Jesuítas do Brasil e da posterior supressão da Ordem.

Anchieta é o “apóstolo do Brasil”, assim já proclamado no seu funeral, em 1597. Algumas regiões e cidades do Brasil foram especialmente marcadas pela sua ação missionária, como Salvador, São Paulo, Santos e todo o litoral paulista, Rio de Janeiro, Vitória e o todo o estado do Espírito Santo, Porto Seguro e o sul da Bahia...

Sem esquecermos, nem desmerecermos o imenso trabalho missionário realizado aqui, já no século 16, também por outros missionários e ordens religiosas, podemos afirmar, sem medo de errar, que a Igreja e o próprio Brasil devem muito a Anchieta: além de animador de missões já existentes, foi fundador de muitas iniciativas missionárias, educativas e de caridade social. Ele foi um homem de Deus, que, apesar de sua saúde frágil, desempenhou uma atividade dinâmica e eficaz, percorrendo distâncias enormes para assistir a um doente ou para visitar comunidades e missões. Entre os índios no litoral paulista, ele era conhecido como “o padre que voa”, por causa da agilidade com que se deslocava e se fazia presente em lugares diferentes em pouco tempo. No coração de Anchieta ardia o desejo de levar a luz do Evangelho a todos, consciente de que esse é o caminho bom para cada homem.

É providencial que recebamos a notícia da canonização do padre José de Anchieta neste início de Quaresma. “Convertei-vos e crede no Evangelho” – este apelo, ouvido na Quarta-feira de Cinzas, nos recorda de que o Cristo, centro do Evangelho, é a referência, a luz, o caminho, a norma para nossa vida humana e religiosa. Por outro lado, que a santidade é a vocação de todos: “Sede santos porque eu, vosso Deus, sou santo”. A santidade de vida consiste na comunhão e na sintonia com Deus e, como consequência, a vida digna deste mundo e no amor, a exemplo de Cristo.

“São” José de Anchieta viveu assim. A Igreja o reconhece oficialmente e propõe a todos que façamos como ele fez. Do nosso jeito, é claro.

Artigo publicado no Jornal O São Paulo, Ed. 2992 de 6 a 10 de março de 2014

Cardeal Odilo Pedro Scherer

Arcebispo de São Paulo

@DomOdiloScherer